sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ame sempre, perdoe as vezes que forem necessárias, mas “EXIJA” mudança, arrependimento e conversão.

Ame sempre, perdoe as vezes que forem necessárias, mas “EXIJA” mudança, arrependimento e conversão. 

Há algum tempo atrás, fui novamente confrontado durante um trabalho que realizo de ajuda a pessoas com dependências, por alguém que me disse que eu como pastor e a igreja, tínhamos a obrigação de o ajudar, de o amar e de o perdoar.
Pessoa essa que exigia ajuda, usando de chantagem emocional e religiosa, mas que estava a viver a vida que ele escolheu e que não demostrava nenhuma atitude de querer mudar.

Esta situação fez-me novamente pensar, será que se eu amar e perdoar alguém que não se arrepende, que não muda, que não se converte, somente porque foi coagido, chantageado e obrigado a faze-lo, estou a ajudar correctamente essa pessoa e a contribuir para que ela mude de verdade???

Será que devo amar e perdoar uma pessoa, sem a confrontar com as verdades bíblicas e para a necessidade que ela tem de se converter dos seus pecados?

A bíblia nos ensina que devemos perdoar porque Cristo nos perdoou, e também nos ensina a amar sempre, inclusive os nossos inimigos, então devemos faze-lo!!!

Mas será que o meu perdão e o meu amor, são suficientes para mudar a pessoa que recebe esse mesmo perdão e amor, ou ela terá que fazer também alguma coisa?

Deus nos ama e nos perdoa, mas será que pelo facto de termos esse amor e perdão à nossa disposição, as nossas vidas mudaram verdadeiramente?

Será que não estamos chantageando as pessoas que ofendemos e magoamos, para nos perdoarem, e nos amarem, pelo facto de elas estarem “biblicamente” obrigadas a isso, sendo que nós não estamos a fazer nada para mudarmos?

Será que também não achamos que Deus é obrigado a nos amar e perdoar sempre?

Eu creio num Deus de amor incondicional e de perdão, mas também creio que o Seu amor e perdão só serão eficazes na vida daqueles que se arrependem, confessam e se convertem dos seus pecados.

Por isso é que muitas vezes Deus permite que passemos por situações menos boas, e muitas vezes Ele encobre o Seu rosto de nós, para que percebamos que precisamos de abandonar a iniquidade (pecado repetido, não convertido), para que o Seu Amor e Perdão alcancem e mudem as nossas vidas.

Deus não desiste de nos amar, e SEMPRE o Seu perdão estará à nossa disposição, mas aquele que não se arrepende verdadeiramente e não se converte, com essas atitudes e decisões, ele próprio estará rejeitado o amor e o perdão de Deus.

“Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir.
Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.”
Isaías 59.1 e 2

“Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.”
Isaías 55:7

Por isso ame e perdoe, mas não porque alguém o chantageou emocionalmente, não porque alguém numa atitude de vitimização colocou peso na sua consciência, ame sempre, perdoe aquele que o ofendeu as vezes que forem necessárias, porque isso é bom, agrada a Deus e purifica o nosso coração e também NAO DESISTA dessa pessoa, mas com a Graça, Sabedoria e Autoridade de Deus, “EXIJA” que ela MUDE.

Para a próxima diga a essa pessoa eu te perdoou e te amo, mas tens de mudar, não repitas os mesmos erros!!!!

Mesmo que ela não mude continue a amar e a perdoar, porque a verdade é que essa pessoa mais tarde ou mais cedo irá cair, será condenada, Deus trará juízo sobre ela (e só a Ele compete fazer isso), mas mais uma vez apelo e até por causa da verdade que referi, PERDOE, AME, MAS EXIJA E ESTIMULE MUDANÇA NA VIDA DA PESSOA, não compactua com o erro e com o pecado, diga que Deus tem poder para transformar, diga que espera ver os frutos de arrependimento, ORE por libertação, porque se ela não se arrepender e converter, não vai ser o seu amor e perdão que a irão salvar.

Miguel Cartaxo
09.12.13

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Lista de coisas que desagradam profundamente a Deus

Vejamos uma lista de coisas que desagradam profundamente a Deus:

“Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina:
(1)Olhos altivos, (2)língua mentirosa, (3)mãos que derramam sangue inocente,
(4)O coração que maquina pensamentos perversos, (5)pés que se apressam a correr para o mal,
(6)A testemunha falsa que profere mentiras, (7)e o que semeia contendas entre irmãos.”
Provérbios 6:16-19

Percebemos que nesta lista de coisas que Deus odeia, a mentira aparece mencionada 2 vezes. 
Quem vive na mentira tem por pai o próprio diabo.

“Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.”
João 8:44

A mentira é um dos pecados mais tolerados na igreja!
Parece que desvalorizamos este pecado e até nos habituamos a ele.
Mas a Bíblia no seu ultimo capitulo, deixa-nos uma exortação muito séria.
Primeira, que Jesus em breve virá buscar os salvos e segunda, que ficarão de fora os que praticam e vivem na mentira!

“Mas, atenção! Eu virei muito em breve e trarei comigo a recompensa para dar a cada um segundo as suas obras. 
Eu sou o Alfa e o Ómega, o primeiro e o último, o princípio e o fim.
Felizes os que purificam as suas vestes para terem o direito de comer o fruto da árvore da vida e de entrar pelas portas da cidade. 
Mas ficarão de fora todos os que são como cães, os feiticeiros, os imorais, os assassinos, os adoradores de falsos deuses e todos os que MENTEM POR PALAVRAS E OBRAS.”
Apocalipse 22:12-15

É interessante também perceber que na passagem do livro de Provérbios, Deus diz que odeia SEIS coisas e sua alma ABOMINA uma coisa, o SEMEAR CONTENDAS entre os irmãos. 

Deus fala em sementeira (semear contendas), o que nos leva ao livro de Gálatas:
“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”
Gálatas 6:7

Deus abomina quem semeia contendas entre os irmãos e a bíblia diz tudo o que nós semearmos isso vamos colher.
Todos aqueles que têm semeado mentiras e contendas, mais tarde ou mais cedo irão colher aquilo que semearam. E se semearam alguma coisa que a bíblia diz que Deus odeia e a Sua alma abomina, então a colheita dessa sementeira não será nada boa.

Em todos os anos do meu ministério, muitas pessoas têm vindo pedir ajuda e oração e têm partilhado os seus erros e pecados, mas SOMENTE 2 pessoas confessaram que murmuraram e uma delas disse que murmurou em relação à minha pessoa. Uma percentagem muito pequena.

Das duas uma, ou o pecado da murmuração (semear contendas), já não existe, (só existiu nos tempos bíblicos), ou então não sabemos o que é murmurar. 
A minha oração é para que Deus traga discernimento para que o Seu povo saiba o que é murmurar, e o que não é murmurar. 
Porque o pecado de murmuração ainda existe e continua a ser um dos pecados com consequências mais graves registados na bíblia.

SE TENS FEITO ESTA SEMENTEIRA, CONFESSA O TEU PECADO A DEUS E ÀS PESSOAS A QUE TENS MENTIDO E TENS MURMURADO.

Deus nunca nos destruirá, porque o Seu amor e misericórdia nunca têm fim. Somos nós é que nos autodestruímos, quando não nos arrependermos e não confessarmos os nossos pecados. 

Eu te motivo, se tens que desfazer uma mentira diante de alguém, faz isso em Nome de Jesus para que prosperes, se murmuraste contra alguém, semeaste contendas, ou participastes delas, vai ter com essas pessoas e confessa as tuas culpas, Deus vai-te abençoar grandemente.

Não existe impunidade. Tudo tem uma consequência, uma colheita. Mas se confessarmos os nossos pecados, Deus vai ajudar-nos a lidar com as consequências e irá de certeza diminuir os efeitos das mesmas.

Se a Igreja hoje quer experimentar um Avivamento e receber poder para resgatar mais pessoas do inferno, precisa de dar o primeiro e fundamental passo, o da SANTIFICAÇAO.

Igreja, façamos como fez o rei Ezequias, um concerto com Deus e retiremos toda a imundícia das nossas vidas (hoje o santuário de Deus somos nós).

“E fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme a tudo quanto fizera David, seu pai. 
Ele, no ano primeiro do seu reinado, no mês primeiro, abriu as portas da casa do Senhor, e as reparou. 
E trouxe os sacerdotes e os levitas, e os ajuntou na praça oriental. 
E lhes disse: Ouvi-me, ó levitas, santificai-vos agora, e santificai a casa do Senhor, Deus de vossos pais, e tirai do santuário a imundícia.
Agora me tem vindo ao coração, que façamos um concerto com o Senhor, Deus de Israel, para que se desvie de nós o ardor na sua ira. 
Agora, filhos meus, não sejais negligentes; pois o Senhor vos tem escolhido para estardes diante dele, para o servirdes, e para serdes seus ministros e queimardes incenso.”
2 Crónicas 29:2-5; 10-11

O melhor de Deus está por vir, Deus ainda conta connosco, conta com a Sua Igreja!

Miguel Cartaxo
02.12.13

terça-feira, 7 de maio de 2013

Disciplina na Igreja:

Disciplina na Igreja:
Formas, Motivos e Processo de Restauração!

O nosso desejo é que esta mensagem, seja um instrumento de Deus, de prevenção para as nossas vidas.

Quando falamos sobre disciplina, temos que ter em conta que se trata de um tempo de correção na vida do crente que se envolveu no pecado e que precisa de se converter!
O processo de disciplina serva para fornecer as condições necessárias, para que o pecador reconheça o seu pecado, confesse e seja completamente liberto desse pecado!

A restauração, começa com a aceitação da disciplina.
"E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando, por ele, fores repreendido; Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho." 

Hebreus 12:5, 6 

A disciplina termina quando os frutos da restauração aparecem.
"E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça, nos exercitados por ela." 

Hebreus 12:11


Formas de disciplina:

Conforme temos colocado no regulamento interno da Addlux (ponto 5), biblicamente podemos extrair as seguintes formas de disciplina ao crente:
A disciplina ao crente em 1º Lugar é dada pelo próprio Deus.
Hebreus 12. 5 a 8 e 11
A disciplina ao crente em 2º Lugar é dada pelos líderes (pastores) da igreja.    
2 Timóteo 4.2
A disciplina ao crente em 3º Lugar é exercida e pela própria Igreja (Ministério).  
Mateus 18.15-18 e 1 Coríntios 5
Neste ultimo caso, trata-se de situações de escândalo publico, em que a igreja tem que desligar da comunhão, para preservação do Corpo de Cristo.

Não esqueçamos que estamos a falar de crentes que pecam e muitas vezes pecam de uma forma voluntária (iniquidade).


Motivos:

Vamos somente destacar alguns desses motivos que levam à disciplina:

1. Pecados relacionados com a área da sexualidade.
(Adultério, prostituição, formicação, lascívia, pornografia que leva à auto-sexualidade (masturbação).
"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: Prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais declaro, como já, antes, vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus." - Gálatas 5:19-21

Os pecados de imoralidade sexual, são os mais graves contra o nosso corpo, e não esqueçamos que o mesmo, é o TEMPLO DO ESPIRITO SANTO.
“Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?”
 - 1 Coríntios 6:18-19

O adultério, que é um pecado voluntário, sempre foi um dos pecados com maiores consequências, registados na bíblia!
“HONRADO seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará.” - Hebreus 13:4
Antes da Lei - Gênesis 38:24
Um dos dez mandamentos - Êxodo 20:14
Levítico 20.10, Provérbios 6:32, Mateus 5:27-28, Mateus 15:19,
1 Coríntios 6:9-10, Efésios 5:3, 1 Tessalonicenses 4:3-5, Apocalipse 2:21-22

Cuidado para não sermos apanhados no pecado voluntário. Encontramos vários casos na bíblia de pessoas que cometeram esse pecado e mesmo angustiados, com muitas lagrimas, não encontraram lugar para o arrependimento (Saul, Esaú (Hebreus 12.16e17), Judas,...)
Hebreus 10:26-31


2. Pecado ENCOBERTO.
“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. - Provérbios 28:13

Quando falamos de pecado encoberto, não falamos de encobrir a Deus, porque diante de Deus nada podemos esconder.
Pecado encoberto é não confessar os pecados a Deus e a quem nós ofendemos.
Pecado encoberto gera mentira, engano, falsidade e hipocrisia.
"Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos do vosso pai: ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira." - João 8:44
Quando mentimos e enganamos, começamos a servir ao diabo e a satisfazer os desejos dele.
Provérbios 12.22
A pessoa é levada a abandonar e a trair a sua fé, a levar uma vida de engano e de hipocrisia, e como resultado ficará com a sua mente cauterizada.
“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
- 1 Timóteo 4:1-2
Ananias e Safira, mentiram contra Deus e foram punidos:
“….Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.” - Atos 5:4

O pecado encoberto gera hipocrisia
“Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.” 
2 Timóteo 3:5
A pessoa tem aparência de piedade (santidade), mas acha que a mesma não é eficaz para alcançar os seus desejos, por isso envolve-se no pecado para obter os seus objetivos, mas tenta manter uma aparência de santo de espiritual.

O Pecado encoberto por aqueles que têm uma posição de liderança e de ministração na igreja, é um dos mais graves contra a igreja, o Corpo de Cristo.
Depois de Israel te conquistado a cidade de Jerico, a próxima cidade para conquistar era a cidade de Ai.
Um dos soldados, de nome Acã, transgrediu e escondeu o seu pecado. O resultado foi uma derrota nessa batalha. Enquanto não foi revelado o pecado encoberto, Deus disse que o povo de Israel nunca poderia vencer.
Josué 7
Podemos afirmar que o pecado encoberto, é um pecado de traição contra o corpo Cristo, porque à semelhança de Acã, aqueles que servem na igreja e que durante meses escondem o seu pecado e permanecem a servir na igreja, tornam-se soldados do inimigo, abrindo portas para o diabo derrotar a obra de Deus.
Precisamos de profetas para desmascarar o pecado encoberto.
"Onde não há revelação divina, o povo se desvia; mas como é feliz quem obedece à lei!" - Provérbios 29:18

David quando confrontado pelo profeta, confessou o seu pecado, e não o abafou.
“Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol.
Então disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás
2 Samuel 12:12-13
Uma das coisas interessantes na atitude de David, é que ele mesmo na última oportunidade que Deus lhe deu, confessou o seu pecado, e não o quis abafar, inclusive escreveu acerca dele.
Quando o profeta Natã, confrontou Davi, este já tinha casado com Bate-Seba, e facilmente podia continuar a encobrir o seu pecado.
Mas Davi não se importou com o julgamento público, mas assumiu o seu pecado perante o povo.
David tinha um ministério público e a Bíblia diz no novo testamento em relação aos que servem de uma forma pública na igreja e pecam, o seguinte:
“Não aceites acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas.
Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor.”
 - 1 Timóteo 5:19-20

É de uma gravidade enorme, quando a pessoa esconde o seu pecado, vive na prática voluntária e consciente do pecado, não confessa o seu pecado, e só pela ação sobrenatural de Deus o seu pecado é DESMASCARADO!
Mateus 10:26-27


3. Pecado de omissão e de permissividade.

Permissividade: É permitir, concordar e aceitar determinadas práticas e ações que sabemos que estão erradas em contraste com as normas justas da moral e os bons costumes É permitir, concordar e aceitar determinadas práticas e ações que sabemos que estão erradas em contraste com as normas justas da moral e os bons costumes

Razoes dessa omissão e permissividade:
3.1. Somos omissos e permissivos em relação ao pecado e pecador, porque temos o sentimento de culpa e de responsabilidade, porque, por falta de oração, santidade e de discernimento espiritual, não tivemos a capacidade de intervir na vida de alguém, e por isso quando as pessoas perto de nós pecam, tentamos justifica-las, porque não podemos dizer "eu exortei-te sobre essa situação..., porque não o fizemos!
Não é normal, Deus não nos revelar e colocar um peso em relação ao pecado voluntario e continuado das pessoas que estão à nossa volta e muitas vezes estão dentro da nossa casa.
É verdade que as pessoas são livres e podem escolher pecar, mas não é normal os pais não orarem pelos filhos e sentirem um peso quando eles se desviam do caminho, assim como, os esposos em relação às esposas e vice-versa, os amigos em relação aos amigos, familiares em relação aos familiares, ...!
A pessoa tolera o pecado porque não quer reconhecer que foi enganada.
3.2. Somos muitas vezes permissivos, quando se trata de alguém da família, ou um amigo que nos fez muitos favores e muitas boas obras e sentimo-nos em dívida para com ele.
3.3. Somos permissivos e tolerantes com os pecados dos outros, porque também temos os nossos pecados, e queremos que os outros sejam também permissivos connosco. Isto é grave e destrói uma igreja. O amor confronta, o amor diz: não peques mais!
3.4. Somos omissos em relação ao pecado, porque pensamos que pecados de imoralidade sexual, apostasia, espíritos de Jezabel e de lascívia, joio no meio do trigo, lobos com pele de cordeiro, não acontecem na nossa igreja. Vamos vigiar e orar para não cairmos em tentação.
3.5. Somos permissivos, porque desconhecemos a importância e o propósito da disciplina. Caímos no erro de dizer não vale a pena disciplinar o crente que pecou de uma forma voluntária e contínua, porque já chorou e já se arrependeu.


Processo de Restauração:

Depois do arrependimento e da confissão, vem a conversão.
Se eu conduzir um carro a alta velocidade e tiver um acidente, posso chorar rios de lagrimas de arrependimento, que o meu corpo vai continuar fraturado e o meu carro deformado, ou seja, vou ter que iniciar o processo de restauração!
E essa é uma decisão minha, e será um processo doloroso!
Agora imaginem um processo de restauração de um caracter deformado, pelo pecado, pela mentira, engano, falsidade...
Quando uma pessoa comete um pecado, por exemplo; alimentação errada, pecado contra o templo do Espirito Santo, contaminação de um vírus por uma vida sexual de pecado, a pessoa fica ferida, doente e destruturada, etc...
Pelo facto da pessoa pedir perdão e chorar pelos os pecados que cometeu, não vai ficar automaticamente como nova, tem que iniciar um processo de cura e de RESTAURACAO!

Claro que queremos denunciar o pecado e não as pessoas.
Mas, muitos profetas no velho testamento foram mortos, porque o povo não queria ouvir a repreensão, e muitas pessoas em vez se focarem no seus pecados, tentam desviar as atenções acusando os servos de Deus de intolerantes, de falta de amor, de injustos, de não quererem perdoar, etc...
“De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.” - Lamentações 3:39
A vitimização é um dos maiores obstáculos ao arrependimento/restauração.

O problema é quando não podemos separar o pecado do pecador!
No caso dos crentes podemos dizer, Deus aborrece o pecado e castiga o pecador, não anulando as consequências dos mesmos.
O rei David, teve consequências terríveis, por causa do seu pecado.

Quando uma pessoa peca, voluntariamente e continuadamente, não se tratando de uma queda pontual, ela tem que iniciar um processo de restauração longo e doloroso.
A restauração começa, quando a pessoa aceita a disciplina. Essa é a primeira prova de arrependimento.
Uma outra prova é a pessoa não querer abafar o seu pecado.

Quando o diabo deforma o carater de uma pessoa, levando-a a viver uma vida de engano e mentira, o processo de transformação é muito difícil.

A disciplina termina quando os frutos da restauração aparecem:
A bíblia diz que o pecador, deve produzir “frutos dignos de arrependimento”
Não diz para o pecador produzir lágrimas dignas de arrependimento, ou cara triste digna de arrependimento, ou um pedido de perdão digno de arrependimento!
FRUTOS, FRUTOS…
Antes do fruto, vem primeiro a semente (arrependimento), nasce a árvore, nascem as flores e só depois vem os frutos.
ESTE PROCESSO REQUER TEMPO!
Não podemos cair no erro da permissividade.
Será devastador para a igreja se o pecador voluntário, para ser restaurado, só precisar de chorar o seu pecado e de pedir perdão…

Voltando aos frutos que provam o arrependimento e a restauração/conversão da pessoa, esses têm que demostrar que ela é uma nova criatura, e que as coisas velhas já passaram e eis que tudo se fez novo.

O grande desafio atual da nossa igreja, é o de lutar para que a casa de oração, volte a ser um lugar de segurança, para a família e para as novas gerações - Jeremias 7

“A palavra que da parte do SENHOR, veio a Jeremias, dizendo:
Põe-te à porta da casa do SENHOR, e proclama ali esta palavra, e dize: Ouvi a palavra do SENHOR, todos de Judá, os que entrais por estas portas, para adorardes ao SENHOR.
Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras, e vos farei habitar neste lugar.”
 
Jeremias 7:1-3

Na história do profeta Jeremias, os reis de Judá tentaram abafar a sua voz, porque ele dizia que o cativeiro era inevitável. Os reis de Judá acusaram Jeremias de falta de amor, de não pregar que Deus iria perdoar o povo e iria evitar o cativeiro, etc.., Mas o povo teve que passar mesmo pelo cativeiro babilónico (um processo de disciplina).

IMPORTANTE:
Todos os pecados são confessados a Deus, só ele pode perdoar pecados.
Mas além de pedirmos perdão a Deus, temos que pedir a quem nós ofendemos.
OS PASTORES E LIDERES DESTA IGREJA ESTÃO DISPONIVEIS (E FOR ESSE O CASO) DE AJUDAR TODOS AQUELES QUE PRECISAREM DE APOIO PARA CONFESSAR OS SEUS PECADOS E INICIAREM UM PROCESSO DE CONVERSÃO!

CONFESSEMOS OS NOSSOS PECADOS A DEUS E A TODOS AQUELES QUE OFENDEMOS, NÃO VAMOS ENCOBRIR O NOSSO PECADO, PORQUE DEUS VAI TRAZER TUDO À LUZ E SERÁ MUITO DESVASTOR VER O NOSSO PECADO SE TRANSFORMAR NUM ESCANDALO.

Deus abençoe a todos!
Miguel e Cristina Cartaxo

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Mensagem ministrada no culto de ceia de Outubro (2012), na Addlux!


Foi uma mensagem importante da parte de Deus, que foi uma oportunidade que muitos não aproveitarem! 

(Boletim Pastoral – OUTUBRO 12)

Arrependimento:

Do grego μεταμέλεια - Metanóia, que é na verdade a junção de duas palavras: Meta: Mudança, e Nóia: Mente, o que traduzido do grego quer dizer mudança de mentalidade.

Arrependimento é o reconhecimento de que somos pecadores. É a pré-disposição de não pecarmos mais. É darmos meia-volta, abandonarmos o caminho de pecado e passarmos a viver o caminho do Evangelho de Jesus Cristo.

Arrependimento é o reconhecimento de que falhamos, erramos, somos carentes e necessitamos das misericórdias de Deus. É lutar para vencermos as fraquezas e tentações da nossa carne.

É nos humilharmos aos pés do Senhor, suplicando misericórdia e perdão. É bom notar que arrependimento e remorso são coisas diferentes. O remorso consiste em a pessoa saber que errou, mas não quer abandonar o erro. É não reconhecer que deveria tê-lo evitado.

TODOS DEVEM ABANDONAR SEUS PECADOS, OU SERÃO CONDENADOS

O arrependimento, é essencial à salvação:

"... Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus." (Mateus 3:2) 
A ordem é: "Arrependei-vos”

"Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei- vos, porque é chegado o reino dos céus." (Mateus 4:17)

"Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo." (Atos 2:38)

Lucas 13:3, Atos 3:19, Lucas 24:46-47, Atos 17:30-31


No processo de um verdadeiro arrependimento a pessoa passa por quatro estágios:


1º Tristeza

“Agora folgo, não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus; de maneira que por nós não padecestes dano em coisa alguma. Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.” 2 Coríntios 7:9-10
Salmos 51:12


2º Confissão:

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” (Pv. 28:13).

I João 1:9, Salmos 32:1-5


3º Repugnância pelo ato praticado

"como é que eu pude fazer isto?"

Muito pouco adianta reconhecer que aquilo que estamos a fazer fere e magoa o coração de Deus, se estivermos a ter prazer nesses pecados .
“Então vos lembrareis dos vossos maus caminhos, e dos vossos feitos, que não foram bons; e tereis nojo em vós mesmos das vossas iniqüidades e das vossas abominações.” - Ezequiel 36:31

Romanos 7:24


4º Conversão

O ARREPENDIMENTO GENUÍNO , é conhecido porque trás frutos, mudança de pensamento e de estilo de vida.

Mateus 3:6-10, Atos 26:20, Isaías 55:6-7, Deuteronômio 30:9-10, 2 Reis 23:25

O ARREPENDIMENTO É UMA DECISÃO NOSSA:
Apocalipse 2:5 (Igreja de Éfeso), Apocalipse 2:20-22 (Igreja de Tiatira)

“Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?
Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei.”
Ezequiel 18.31 e 32

Miguel Cartaxo

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Arrependimento, perdão e conversão!

As feridas causadas por quem pecou contra o corpo de Cristo, não são fáceis de sarar!


Alguém disse: "quem não se sente, não é filho de boa gente"
Basta de analgésicos espirituais, arrependimentos e pedidos de perdão emocionais, esponjas para apagar pecados...

Precisamos de reconhecer, que necessitamos de cura, de um tratamento sarador radical.

O arrependimento gera confissão, a confissão gera conversão!

A conversão é comprovada por frutos dignos de arrependimento!

AGORA O FRUTO NAO É ALGO QUE APARECE DE UM DIA PARA O OUTRO!

Perdoar alguém é ao mesmo tempo instantâneo e progressivo!

Instantâneo, por causa do nosso coração, não queremos guardar nenhum mau sentimento!
Progressivo, porque o pecado magoa, fere, e não podemos ficar insensíveis e PERMISSIVOS face à gravidade do pecado! Também, porque a restituição (da confiança), faz parte do processo da restauração.

Zaqueu, percebeu que só seria restaurado, a partir do momento que ele se desfizesse de todo aquilo que ele alcançou através do pecado!

Conheço pessoas que só alcançaram restauração, quando se desfizeram de todo aquilo que o diabo e o pecado lhes deu!
Quebraram laços de amizades com o mundo, deixaram de frequentar determinados lugares, abdicaram da fama e riquezas, mudaram de trabalho, mudaram de casa (ate de cidade e país), restituíram aquilo que roubaram, buscaram ajuda numa outra igreja...
Ou seja, restauração e a conversão é um recomeço de uma nova vida!


Quem banaliza o pecado, banaliza o perdão!
Alias estamos numa geração que só prega o amor e o perdão, e deixou de pregar a conversão e a justiça de Deus!
Frequentemente ouvimos dizer, eu peco (consciente e voluntário) e logo peço perdão e tudo volta ao normal...

O amor não diz: eu te condeno, mas diz: não peques mais.


Clamemos por SANTIDADE!

Miguel Cartaxo




segunda-feira, 8 de abril de 2013

O exercício da fé, que leva-nos a receber e a ser canais para o milagre:

Se a fé, vem pelo ouvir e ouvir pela Palavra de Deus, e se tudo o que pedimos segundo a Sua vontade o recebemos, só podemos concluir que o exercício da fé segundo a Bíblia é o agir em obediência de acordo com conhecimento da Palavra de Deus e revelação da Sua vontade.

Ou seja, pouco conhecimento da Bíblia e pouca ou nenhuma revelação da vontade de Deus, traduzir-se-á em pouca ou nenhuma fé.


Quantas vezes oramos e nada recebemos porque pedimos mal, desconhecendo a vontade de Deus. Tantas vezes erramos porque não conhecemos as escrituras nem o poder de Deus!


Quantas vezes oramos para que Deus faça um milagre, abra uma porta, traga restauração, etc…, sem sabermos, se aquilo que estamos a pedir está realmente de acordo com a vontade de Deus, no que diz respeito ao tempo e à forma D´Ele operar.


Acredito que muitas vezes estamos a orar, a clamar, a gritar, por um milagre e que Deus está a dizer: quem te disse que eu quero operar agora esse milagre?, ou abrir de imediato essa porta?, afinal quem é que é soberano?, será que não temos tentado fazer as coisas à nossa maneira?, tentado dizer a Deus como Ele deve agir, e muitas vezes invocando as Suas promessa gerais, esquecendo-nos que Deus tem um trabalhar especifico na vida de cada individuo!


Agora, há o outro lado, porque é que hoje não ocorrem milagres com tanta frequência? Porque é que hoje os sinais não estão a seguir com tanta frequência os crentes?
Talvez porque temos dado com desculpa: que Deus é que sabe, que Ele é soberano e que vai agir quando entender!


Parece um contra-senso, mas vou indicar o processo que eu acredito que Deus estabeleceu para que possamos ser homens e mulheres com uma fé capaz realizar grandes coisas:
1. Ter uma vida de oração
2. Ter uma vida de consagração e santificação
3. Estudar diariamente a Palavra de Deus
4. Buscar com zelo os melhores dons
5. Prontidão para ser testemunha de Jesus e um instrumento em Suas mãos
6. Buscar revelação da vontade de Deus
7. Depois de receber a revelação de Deus, agir em obediência e fé.


Se seguirmos esses passos, a ao chegarmos ao ponto 6, Deus começará a revelar-nos pessoas que Ele que salvar, curar, libertar, abençoar, e nos impulsionara, para que oremos por elas, e nos dará autoridade e poder para que o milagre aconteça.


Deus nunca, nos revelará uma situação, sem que nós estejamos preparados (santificados e revestidos de poder e autoridade), para sermos Seus instrumentos, para levarmos cura, suprimento, restauração… para essa situação!


O que adianta orar por um enfermo, por uma pessoa oprimida, sem santidade, autoridade, 

sem poder?, (mesmo orando segundo o que está escrito na Bíblia) e desconhecendo a vontade de Deus, no que concerne ao tempo e à forma que Deus determinou para fazer um milagre naquela pessoa?

A Bíblia diz que Deus não ocultava o que pretendia fazer ao pai da fé, Abraão, e que numa atitude de obediência e fé, ele agia de acordo com a revelação que recebera de Deus.


Claro que hoje não vemos tantos milagres, porque há menos oração, consagração, santidade, conhecimento das escrituras, menos disponibilidade de ser instrumento de Deus para bênção de outros, menos revelação da vontade de Deus. O resultado é uma fé fraca, com recurso a orações e frases feitas, à fabricação de tempos pseudo-espirituais, etc…


Eu acredito que virá um tempo em que Deus revelará aqueles que derem os tais passos, as pessoas que ele quer salvar, curar, libertar, e lhes dará da Sua autoridade e poder, e estes numa atitude de obediência, serão instrumentos de Deus, para no tempo certo, levarem esses milagres a essas vidas.

Deus vos abençoe
Miguel Cartaxo

sexta-feira, 22 de março de 2013

TEOLOGIA nUM Minuto - Trindade Divina

"A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém." 
2 Coríntio 13:14


Em Deus, temos o amor, a compaixão, a misericórdia, o plano...
Em Jesus, temos a graça, a execução do plano, o sacrifício, a abnegação, a dádiva, o Nome...
No Espírito, temos a comunhão, o relacionamento, a intimidade, a revelação, o consolo, a direcção, o ensino, a restauração...

Miguel Cartaxo
22.03.13

DEUS é Fiel

“Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;
Se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará;
Se formos infiéis, Ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo”
2 Timóteo 2:11-13

FIEL: Aquele que não falha, digno de confiança, leal, constante, seguro, sincero…

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel".
Deuteronômio 7:9.

A fidelidade é uma perfeição em Deus pela qual Ele é fiel à sua Palavra e a todos os Seus concertos. Ele nunca quebra um contrato consigo mesmo nem com Suas criaturas. 
O que Ele propôs, isto fará, e o que prometeu, isto executará.

Sua fidelidade nunca falhará. A fidelidade de Deus, juntamente com Seu imenso poder é nossa esperança eterna. Os homens nos decepcionam por falta de fidelidade ou poder. 
Mas podemos olhar além das ruínas causadas pela infidelidade dos homens, e avistarmos Um que é grande em fidelidade. 
Podemos ficar certos que "Porque fiel é o que prometeu". Hebreus 10:23.

Lamentações 3:22,23 nos diz, "A benignidade do Senhor jamais acaba, as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade." Estas são palavras surpreendentes. Jeremias as falou ao se sentar e olhar para a cidade de Jerusalém, a qual havia sido saqueada e destruída completamente e deixada como um amontoado de escombros fumegantes. Ele chorou sobre a cidade. Mas ele sabia que Deus era fiel. A fé de Jeremias nunca vacilou. Salmos 119:90 nos assegura:"A tua fidelidade estende-se de geração a geração;"

Muitos dizem, Deus é Fiel às Suas promessas, e porque eu tenho promessas de Deus na minha vida, faça o que eu fizer, Deus é Fiel para cumprir sempre essas promessas na minha vida.
O que a Bíblia nos diz é que nós podemos ser infiéis, mas que Deus sempre permanece Fiel e que não pode negar-se a si mesmo. Ou seja, Deus não ira compactuar com a nossa infidelidade, porque Ele ira permanecer fiel a Sua Palavra e aos seus princípios.

Sim, podemos deixar de receber as promessas de Deus em nossas vidas, se formos infiéis a Deus.
Deus deseja a nossa fidelidade.
“Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida”. (Apocalipse 2:10)

Deus é fiel ao disciplinar Seus filhos. "Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízossão justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste". Salmo 119:75. 
Aqui Davi submete-se à disciplina de Deus e a aceita como justa e boa. Suas aflições foram grandes, mas ele via a mão de Deus em todas elas, e acreditava serem para o seu próprio bem. Ele ainda acrescenta que Deus era fiel em mandá-las.
Deus estava operando para o bem de Davi, e sabia o que ele necessitava.
"Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra". Salmo 119:67.

Sl 101:6 "Os meus olhos procurarão os fiéis da terra, para que estejam comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá."

Miguel Cartaxo
22.03.13

7 Coisas que TODOS podem e devem fazer!

Muitos crentes têm perguntado, o que é que eu posso fazer???
Outros por desconhecimento, pensam que determinadas coisas devem ser feitas somente por determinadas pessoas, do tipo orar, visitar as pessoas em necessidade...

Por isso aqui vai uma lista de coisas que todos podem e devem fazer:

1. Orar:
“Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” 1 Timóteo 2:8
“Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.”
Tiago 5:16

2. Ler a Palavra de Deus:
“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra. “ 2 Timóteo 3:14-17

3. Exortamo-nos uns aos outros:
“Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje,
para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;” Hebreus 3:12-13
“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.” Hebreus 10:25
“Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado. Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.” Gálatas 6:1-2

4. Fazer o bem:
“E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.” Gálatas 6:9
Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado. Tiago 4:17

5. Receber o Poder de Deus para Evangelizar:
“Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há-de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra.”
Atos 1:8

6. Ser Cheio do Espirito Santo:
“Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.” Atos 2:39
“E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito; Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; “ Efésios 5:18-19

7. Adorar a Deus:
“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” João 4:23-24

Miguel Cartaxo 
22.03.13