segunda-feira, 29 de abril de 2013

Mensagem ministrada no culto de ceia de Outubro (2012), na Addlux!


Foi uma mensagem importante da parte de Deus, que foi uma oportunidade que muitos não aproveitarem! 

(Boletim Pastoral – OUTUBRO 12)

Arrependimento:

Do grego μεταμέλεια - Metanóia, que é na verdade a junção de duas palavras: Meta: Mudança, e Nóia: Mente, o que traduzido do grego quer dizer mudança de mentalidade.

Arrependimento é o reconhecimento de que somos pecadores. É a pré-disposição de não pecarmos mais. É darmos meia-volta, abandonarmos o caminho de pecado e passarmos a viver o caminho do Evangelho de Jesus Cristo.

Arrependimento é o reconhecimento de que falhamos, erramos, somos carentes e necessitamos das misericórdias de Deus. É lutar para vencermos as fraquezas e tentações da nossa carne.

É nos humilharmos aos pés do Senhor, suplicando misericórdia e perdão. É bom notar que arrependimento e remorso são coisas diferentes. O remorso consiste em a pessoa saber que errou, mas não quer abandonar o erro. É não reconhecer que deveria tê-lo evitado.

TODOS DEVEM ABANDONAR SEUS PECADOS, OU SERÃO CONDENADOS

O arrependimento, é essencial à salvação:

"... Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus." (Mateus 3:2) 
A ordem é: "Arrependei-vos”

"Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei- vos, porque é chegado o reino dos céus." (Mateus 4:17)

"Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo." (Atos 2:38)

Lucas 13:3, Atos 3:19, Lucas 24:46-47, Atos 17:30-31


No processo de um verdadeiro arrependimento a pessoa passa por quatro estágios:


1º Tristeza

“Agora folgo, não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus; de maneira que por nós não padecestes dano em coisa alguma. Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.” 2 Coríntios 7:9-10
Salmos 51:12


2º Confissão:

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” (Pv. 28:13).

I João 1:9, Salmos 32:1-5


3º Repugnância pelo ato praticado

"como é que eu pude fazer isto?"

Muito pouco adianta reconhecer que aquilo que estamos a fazer fere e magoa o coração de Deus, se estivermos a ter prazer nesses pecados .
“Então vos lembrareis dos vossos maus caminhos, e dos vossos feitos, que não foram bons; e tereis nojo em vós mesmos das vossas iniqüidades e das vossas abominações.” - Ezequiel 36:31

Romanos 7:24


4º Conversão

O ARREPENDIMENTO GENUÍNO , é conhecido porque trás frutos, mudança de pensamento e de estilo de vida.

Mateus 3:6-10, Atos 26:20, Isaías 55:6-7, Deuteronômio 30:9-10, 2 Reis 23:25

O ARREPENDIMENTO É UMA DECISÃO NOSSA:
Apocalipse 2:5 (Igreja de Éfeso), Apocalipse 2:20-22 (Igreja de Tiatira)

“Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?
Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei.”
Ezequiel 18.31 e 32

Miguel Cartaxo

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Arrependimento, perdão e conversão!

As feridas causadas por quem pecou contra o corpo de Cristo, não são fáceis de sarar!


Alguém disse: "quem não se sente, não é filho de boa gente"
Basta de analgésicos espirituais, arrependimentos e pedidos de perdão emocionais, esponjas para apagar pecados...

Precisamos de reconhecer, que necessitamos de cura, de um tratamento sarador radical.

O arrependimento gera confissão, a confissão gera conversão!

A conversão é comprovada por frutos dignos de arrependimento!

AGORA O FRUTO NAO É ALGO QUE APARECE DE UM DIA PARA O OUTRO!

Perdoar alguém é ao mesmo tempo instantâneo e progressivo!

Instantâneo, por causa do nosso coração, não queremos guardar nenhum mau sentimento!
Progressivo, porque o pecado magoa, fere, e não podemos ficar insensíveis e PERMISSIVOS face à gravidade do pecado! Também, porque a restituição (da confiança), faz parte do processo da restauração.

Zaqueu, percebeu que só seria restaurado, a partir do momento que ele se desfizesse de todo aquilo que ele alcançou através do pecado!

Conheço pessoas que só alcançaram restauração, quando se desfizeram de todo aquilo que o diabo e o pecado lhes deu!
Quebraram laços de amizades com o mundo, deixaram de frequentar determinados lugares, abdicaram da fama e riquezas, mudaram de trabalho, mudaram de casa (ate de cidade e país), restituíram aquilo que roubaram, buscaram ajuda numa outra igreja...
Ou seja, restauração e a conversão é um recomeço de uma nova vida!


Quem banaliza o pecado, banaliza o perdão!
Alias estamos numa geração que só prega o amor e o perdão, e deixou de pregar a conversão e a justiça de Deus!
Frequentemente ouvimos dizer, eu peco (consciente e voluntário) e logo peço perdão e tudo volta ao normal...

O amor não diz: eu te condeno, mas diz: não peques mais.


Clamemos por SANTIDADE!

Miguel Cartaxo




segunda-feira, 8 de abril de 2013

O exercício da fé, que leva-nos a receber e a ser canais para o milagre:

Se a fé, vem pelo ouvir e ouvir pela Palavra de Deus, e se tudo o que pedimos segundo a Sua vontade o recebemos, só podemos concluir que o exercício da fé segundo a Bíblia é o agir em obediência de acordo com conhecimento da Palavra de Deus e revelação da Sua vontade.

Ou seja, pouco conhecimento da Bíblia e pouca ou nenhuma revelação da vontade de Deus, traduzir-se-á em pouca ou nenhuma fé.


Quantas vezes oramos e nada recebemos porque pedimos mal, desconhecendo a vontade de Deus. Tantas vezes erramos porque não conhecemos as escrituras nem o poder de Deus!


Quantas vezes oramos para que Deus faça um milagre, abra uma porta, traga restauração, etc…, sem sabermos, se aquilo que estamos a pedir está realmente de acordo com a vontade de Deus, no que diz respeito ao tempo e à forma D´Ele operar.


Acredito que muitas vezes estamos a orar, a clamar, a gritar, por um milagre e que Deus está a dizer: quem te disse que eu quero operar agora esse milagre?, ou abrir de imediato essa porta?, afinal quem é que é soberano?, será que não temos tentado fazer as coisas à nossa maneira?, tentado dizer a Deus como Ele deve agir, e muitas vezes invocando as Suas promessa gerais, esquecendo-nos que Deus tem um trabalhar especifico na vida de cada individuo!


Agora, há o outro lado, porque é que hoje não ocorrem milagres com tanta frequência? Porque é que hoje os sinais não estão a seguir com tanta frequência os crentes?
Talvez porque temos dado com desculpa: que Deus é que sabe, que Ele é soberano e que vai agir quando entender!


Parece um contra-senso, mas vou indicar o processo que eu acredito que Deus estabeleceu para que possamos ser homens e mulheres com uma fé capaz realizar grandes coisas:
1. Ter uma vida de oração
2. Ter uma vida de consagração e santificação
3. Estudar diariamente a Palavra de Deus
4. Buscar com zelo os melhores dons
5. Prontidão para ser testemunha de Jesus e um instrumento em Suas mãos
6. Buscar revelação da vontade de Deus
7. Depois de receber a revelação de Deus, agir em obediência e fé.


Se seguirmos esses passos, a ao chegarmos ao ponto 6, Deus começará a revelar-nos pessoas que Ele que salvar, curar, libertar, abençoar, e nos impulsionara, para que oremos por elas, e nos dará autoridade e poder para que o milagre aconteça.


Deus nunca, nos revelará uma situação, sem que nós estejamos preparados (santificados e revestidos de poder e autoridade), para sermos Seus instrumentos, para levarmos cura, suprimento, restauração… para essa situação!


O que adianta orar por um enfermo, por uma pessoa oprimida, sem santidade, autoridade, 

sem poder?, (mesmo orando segundo o que está escrito na Bíblia) e desconhecendo a vontade de Deus, no que concerne ao tempo e à forma que Deus determinou para fazer um milagre naquela pessoa?

A Bíblia diz que Deus não ocultava o que pretendia fazer ao pai da fé, Abraão, e que numa atitude de obediência e fé, ele agia de acordo com a revelação que recebera de Deus.


Claro que hoje não vemos tantos milagres, porque há menos oração, consagração, santidade, conhecimento das escrituras, menos disponibilidade de ser instrumento de Deus para bênção de outros, menos revelação da vontade de Deus. O resultado é uma fé fraca, com recurso a orações e frases feitas, à fabricação de tempos pseudo-espirituais, etc…


Eu acredito que virá um tempo em que Deus revelará aqueles que derem os tais passos, as pessoas que ele quer salvar, curar, libertar, e lhes dará da Sua autoridade e poder, e estes numa atitude de obediência, serão instrumentos de Deus, para no tempo certo, levarem esses milagres a essas vidas.

Deus vos abençoe
Miguel Cartaxo