segunda-feira, 22 de abril de 2013

Arrependimento, perdão e conversão!

As feridas causadas por quem pecou contra o corpo de Cristo, não são fáceis de sarar!


Alguém disse: "quem não se sente, não é filho de boa gente"
Basta de analgésicos espirituais, arrependimentos e pedidos de perdão emocionais, esponjas para apagar pecados...

Precisamos de reconhecer, que necessitamos de cura, de um tratamento sarador radical.

O arrependimento gera confissão, a confissão gera conversão!

A conversão é comprovada por frutos dignos de arrependimento!

AGORA O FRUTO NAO É ALGO QUE APARECE DE UM DIA PARA O OUTRO!

Perdoar alguém é ao mesmo tempo instantâneo e progressivo!

Instantâneo, por causa do nosso coração, não queremos guardar nenhum mau sentimento!
Progressivo, porque o pecado magoa, fere, e não podemos ficar insensíveis e PERMISSIVOS face à gravidade do pecado! Também, porque a restituição (da confiança), faz parte do processo da restauração.

Zaqueu, percebeu que só seria restaurado, a partir do momento que ele se desfizesse de todo aquilo que ele alcançou através do pecado!

Conheço pessoas que só alcançaram restauração, quando se desfizeram de todo aquilo que o diabo e o pecado lhes deu!
Quebraram laços de amizades com o mundo, deixaram de frequentar determinados lugares, abdicaram da fama e riquezas, mudaram de trabalho, mudaram de casa (ate de cidade e país), restituíram aquilo que roubaram, buscaram ajuda numa outra igreja...
Ou seja, restauração e a conversão é um recomeço de uma nova vida!


Quem banaliza o pecado, banaliza o perdão!
Alias estamos numa geração que só prega o amor e o perdão, e deixou de pregar a conversão e a justiça de Deus!
Frequentemente ouvimos dizer, eu peco (consciente e voluntário) e logo peço perdão e tudo volta ao normal...

O amor não diz: eu te condeno, mas diz: não peques mais.


Clamemos por SANTIDADE!

Miguel Cartaxo




Sem comentários:

Enviar um comentário