terça-feira, 7 de maio de 2013

Disciplina na Igreja:

Disciplina na Igreja:
Formas, Motivos e Processo de Restauração!

O nosso desejo é que esta mensagem, seja um instrumento de Deus, de prevenção para as nossas vidas.

Quando falamos sobre disciplina, temos que ter em conta que se trata de um tempo de correção na vida do crente que se envolveu no pecado e que precisa de se converter!
O processo de disciplina serva para fornecer as condições necessárias, para que o pecador reconheça o seu pecado, confesse e seja completamente liberto desse pecado!

A restauração, começa com a aceitação da disciplina.
"E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando, por ele, fores repreendido; Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho." 

Hebreus 12:5, 6 

A disciplina termina quando os frutos da restauração aparecem.
"E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça, nos exercitados por ela." 

Hebreus 12:11


Formas de disciplina:

Conforme temos colocado no regulamento interno da Addlux (ponto 5), biblicamente podemos extrair as seguintes formas de disciplina ao crente:
A disciplina ao crente em 1º Lugar é dada pelo próprio Deus.
Hebreus 12. 5 a 8 e 11
A disciplina ao crente em 2º Lugar é dada pelos líderes (pastores) da igreja.    
2 Timóteo 4.2
A disciplina ao crente em 3º Lugar é exercida e pela própria Igreja (Ministério).  
Mateus 18.15-18 e 1 Coríntios 5
Neste ultimo caso, trata-se de situações de escândalo publico, em que a igreja tem que desligar da comunhão, para preservação do Corpo de Cristo.

Não esqueçamos que estamos a falar de crentes que pecam e muitas vezes pecam de uma forma voluntária (iniquidade).


Motivos:

Vamos somente destacar alguns desses motivos que levam à disciplina:

1. Pecados relacionados com a área da sexualidade.
(Adultério, prostituição, formicação, lascívia, pornografia que leva à auto-sexualidade (masturbação).
"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: Prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais declaro, como já, antes, vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus." - Gálatas 5:19-21

Os pecados de imoralidade sexual, são os mais graves contra o nosso corpo, e não esqueçamos que o mesmo, é o TEMPLO DO ESPIRITO SANTO.
“Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?”
 - 1 Coríntios 6:18-19

O adultério, que é um pecado voluntário, sempre foi um dos pecados com maiores consequências, registados na bíblia!
“HONRADO seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará.” - Hebreus 13:4
Antes da Lei - Gênesis 38:24
Um dos dez mandamentos - Êxodo 20:14
Levítico 20.10, Provérbios 6:32, Mateus 5:27-28, Mateus 15:19,
1 Coríntios 6:9-10, Efésios 5:3, 1 Tessalonicenses 4:3-5, Apocalipse 2:21-22

Cuidado para não sermos apanhados no pecado voluntário. Encontramos vários casos na bíblia de pessoas que cometeram esse pecado e mesmo angustiados, com muitas lagrimas, não encontraram lugar para o arrependimento (Saul, Esaú (Hebreus 12.16e17), Judas,...)
Hebreus 10:26-31


2. Pecado ENCOBERTO.
“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. - Provérbios 28:13

Quando falamos de pecado encoberto, não falamos de encobrir a Deus, porque diante de Deus nada podemos esconder.
Pecado encoberto é não confessar os pecados a Deus e a quem nós ofendemos.
Pecado encoberto gera mentira, engano, falsidade e hipocrisia.
"Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos do vosso pai: ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira." - João 8:44
Quando mentimos e enganamos, começamos a servir ao diabo e a satisfazer os desejos dele.
Provérbios 12.22
A pessoa é levada a abandonar e a trair a sua fé, a levar uma vida de engano e de hipocrisia, e como resultado ficará com a sua mente cauterizada.
“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
- 1 Timóteo 4:1-2
Ananias e Safira, mentiram contra Deus e foram punidos:
“….Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.” - Atos 5:4

O pecado encoberto gera hipocrisia
“Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.” 
2 Timóteo 3:5
A pessoa tem aparência de piedade (santidade), mas acha que a mesma não é eficaz para alcançar os seus desejos, por isso envolve-se no pecado para obter os seus objetivos, mas tenta manter uma aparência de santo de espiritual.

O Pecado encoberto por aqueles que têm uma posição de liderança e de ministração na igreja, é um dos mais graves contra a igreja, o Corpo de Cristo.
Depois de Israel te conquistado a cidade de Jerico, a próxima cidade para conquistar era a cidade de Ai.
Um dos soldados, de nome Acã, transgrediu e escondeu o seu pecado. O resultado foi uma derrota nessa batalha. Enquanto não foi revelado o pecado encoberto, Deus disse que o povo de Israel nunca poderia vencer.
Josué 7
Podemos afirmar que o pecado encoberto, é um pecado de traição contra o corpo Cristo, porque à semelhança de Acã, aqueles que servem na igreja e que durante meses escondem o seu pecado e permanecem a servir na igreja, tornam-se soldados do inimigo, abrindo portas para o diabo derrotar a obra de Deus.
Precisamos de profetas para desmascarar o pecado encoberto.
"Onde não há revelação divina, o povo se desvia; mas como é feliz quem obedece à lei!" - Provérbios 29:18

David quando confrontado pelo profeta, confessou o seu pecado, e não o abafou.
“Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol.
Então disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás
2 Samuel 12:12-13
Uma das coisas interessantes na atitude de David, é que ele mesmo na última oportunidade que Deus lhe deu, confessou o seu pecado, e não o quis abafar, inclusive escreveu acerca dele.
Quando o profeta Natã, confrontou Davi, este já tinha casado com Bate-Seba, e facilmente podia continuar a encobrir o seu pecado.
Mas Davi não se importou com o julgamento público, mas assumiu o seu pecado perante o povo.
David tinha um ministério público e a Bíblia diz no novo testamento em relação aos que servem de uma forma pública na igreja e pecam, o seguinte:
“Não aceites acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas.
Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor.”
 - 1 Timóteo 5:19-20

É de uma gravidade enorme, quando a pessoa esconde o seu pecado, vive na prática voluntária e consciente do pecado, não confessa o seu pecado, e só pela ação sobrenatural de Deus o seu pecado é DESMASCARADO!
Mateus 10:26-27


3. Pecado de omissão e de permissividade.

Permissividade: É permitir, concordar e aceitar determinadas práticas e ações que sabemos que estão erradas em contraste com as normas justas da moral e os bons costumes É permitir, concordar e aceitar determinadas práticas e ações que sabemos que estão erradas em contraste com as normas justas da moral e os bons costumes

Razoes dessa omissão e permissividade:
3.1. Somos omissos e permissivos em relação ao pecado e pecador, porque temos o sentimento de culpa e de responsabilidade, porque, por falta de oração, santidade e de discernimento espiritual, não tivemos a capacidade de intervir na vida de alguém, e por isso quando as pessoas perto de nós pecam, tentamos justifica-las, porque não podemos dizer "eu exortei-te sobre essa situação..., porque não o fizemos!
Não é normal, Deus não nos revelar e colocar um peso em relação ao pecado voluntario e continuado das pessoas que estão à nossa volta e muitas vezes estão dentro da nossa casa.
É verdade que as pessoas são livres e podem escolher pecar, mas não é normal os pais não orarem pelos filhos e sentirem um peso quando eles se desviam do caminho, assim como, os esposos em relação às esposas e vice-versa, os amigos em relação aos amigos, familiares em relação aos familiares, ...!
A pessoa tolera o pecado porque não quer reconhecer que foi enganada.
3.2. Somos muitas vezes permissivos, quando se trata de alguém da família, ou um amigo que nos fez muitos favores e muitas boas obras e sentimo-nos em dívida para com ele.
3.3. Somos permissivos e tolerantes com os pecados dos outros, porque também temos os nossos pecados, e queremos que os outros sejam também permissivos connosco. Isto é grave e destrói uma igreja. O amor confronta, o amor diz: não peques mais!
3.4. Somos omissos em relação ao pecado, porque pensamos que pecados de imoralidade sexual, apostasia, espíritos de Jezabel e de lascívia, joio no meio do trigo, lobos com pele de cordeiro, não acontecem na nossa igreja. Vamos vigiar e orar para não cairmos em tentação.
3.5. Somos permissivos, porque desconhecemos a importância e o propósito da disciplina. Caímos no erro de dizer não vale a pena disciplinar o crente que pecou de uma forma voluntária e contínua, porque já chorou e já se arrependeu.


Processo de Restauração:

Depois do arrependimento e da confissão, vem a conversão.
Se eu conduzir um carro a alta velocidade e tiver um acidente, posso chorar rios de lagrimas de arrependimento, que o meu corpo vai continuar fraturado e o meu carro deformado, ou seja, vou ter que iniciar o processo de restauração!
E essa é uma decisão minha, e será um processo doloroso!
Agora imaginem um processo de restauração de um caracter deformado, pelo pecado, pela mentira, engano, falsidade...
Quando uma pessoa comete um pecado, por exemplo; alimentação errada, pecado contra o templo do Espirito Santo, contaminação de um vírus por uma vida sexual de pecado, a pessoa fica ferida, doente e destruturada, etc...
Pelo facto da pessoa pedir perdão e chorar pelos os pecados que cometeu, não vai ficar automaticamente como nova, tem que iniciar um processo de cura e de RESTAURACAO!

Claro que queremos denunciar o pecado e não as pessoas.
Mas, muitos profetas no velho testamento foram mortos, porque o povo não queria ouvir a repreensão, e muitas pessoas em vez se focarem no seus pecados, tentam desviar as atenções acusando os servos de Deus de intolerantes, de falta de amor, de injustos, de não quererem perdoar, etc...
“De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados.” - Lamentações 3:39
A vitimização é um dos maiores obstáculos ao arrependimento/restauração.

O problema é quando não podemos separar o pecado do pecador!
No caso dos crentes podemos dizer, Deus aborrece o pecado e castiga o pecador, não anulando as consequências dos mesmos.
O rei David, teve consequências terríveis, por causa do seu pecado.

Quando uma pessoa peca, voluntariamente e continuadamente, não se tratando de uma queda pontual, ela tem que iniciar um processo de restauração longo e doloroso.
A restauração começa, quando a pessoa aceita a disciplina. Essa é a primeira prova de arrependimento.
Uma outra prova é a pessoa não querer abafar o seu pecado.

Quando o diabo deforma o carater de uma pessoa, levando-a a viver uma vida de engano e mentira, o processo de transformação é muito difícil.

A disciplina termina quando os frutos da restauração aparecem:
A bíblia diz que o pecador, deve produzir “frutos dignos de arrependimento”
Não diz para o pecador produzir lágrimas dignas de arrependimento, ou cara triste digna de arrependimento, ou um pedido de perdão digno de arrependimento!
FRUTOS, FRUTOS…
Antes do fruto, vem primeiro a semente (arrependimento), nasce a árvore, nascem as flores e só depois vem os frutos.
ESTE PROCESSO REQUER TEMPO!
Não podemos cair no erro da permissividade.
Será devastador para a igreja se o pecador voluntário, para ser restaurado, só precisar de chorar o seu pecado e de pedir perdão…

Voltando aos frutos que provam o arrependimento e a restauração/conversão da pessoa, esses têm que demostrar que ela é uma nova criatura, e que as coisas velhas já passaram e eis que tudo se fez novo.

O grande desafio atual da nossa igreja, é o de lutar para que a casa de oração, volte a ser um lugar de segurança, para a família e para as novas gerações - Jeremias 7

“A palavra que da parte do SENHOR, veio a Jeremias, dizendo:
Põe-te à porta da casa do SENHOR, e proclama ali esta palavra, e dize: Ouvi a palavra do SENHOR, todos de Judá, os que entrais por estas portas, para adorardes ao SENHOR.
Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras, e vos farei habitar neste lugar.”
 
Jeremias 7:1-3

Na história do profeta Jeremias, os reis de Judá tentaram abafar a sua voz, porque ele dizia que o cativeiro era inevitável. Os reis de Judá acusaram Jeremias de falta de amor, de não pregar que Deus iria perdoar o povo e iria evitar o cativeiro, etc.., Mas o povo teve que passar mesmo pelo cativeiro babilónico (um processo de disciplina).

IMPORTANTE:
Todos os pecados são confessados a Deus, só ele pode perdoar pecados.
Mas além de pedirmos perdão a Deus, temos que pedir a quem nós ofendemos.
OS PASTORES E LIDERES DESTA IGREJA ESTÃO DISPONIVEIS (E FOR ESSE O CASO) DE AJUDAR TODOS AQUELES QUE PRECISAREM DE APOIO PARA CONFESSAR OS SEUS PECADOS E INICIAREM UM PROCESSO DE CONVERSÃO!

CONFESSEMOS OS NOSSOS PECADOS A DEUS E A TODOS AQUELES QUE OFENDEMOS, NÃO VAMOS ENCOBRIR O NOSSO PECADO, PORQUE DEUS VAI TRAZER TUDO À LUZ E SERÁ MUITO DESVASTOR VER O NOSSO PECADO SE TRANSFORMAR NUM ESCANDALO.

Deus abençoe a todos!
Miguel e Cristina Cartaxo